sábado, 8 de abril de 2017

BAIANO - Em seu primeiro Ba-Vi, Guto prega segredo e elogia trabalho de Argel

Guto Ferreira; Bahia (Foto: Felipe Oliveira/Divulgação/EC Bahia)
Se o Vitória já tem escalação definida para a partida deste domingo, no Bahia ainda não é possível confirmar o time que vai a campo para o primeiro clássico do ano. Em regime de “segredo total”, o técnico Guto Ferreira concedeu entrevista coletiva nesta sexta-feira e não deu qualquer informação sobre como pretende encarar o adversário.

O mistério do treinador não está restrito ao clássico contra o Vitória e faz parte do modo de trabalhar de Guto. Para o técnico, ceder informações sobre postura da equipe em campo não agregariam em nada ao time e só favoreceriam o adversário.
- Nada. Segredo total. Não é mistério para nós. Pode somar para você. E eu respeito. E eu dizer qualquer tipo de coisa não vai somar para mim. Posso estar passando alguma coisa para ele. Como eu vou encarar, o que eu vou dizer, assuntos técnico, tático, posso marcar um gol contra – acredita Guto Ferreira.
À frente do Bahia desde o meio da temporada passada, Guto vai para o seu primeiro Ba-Vi. Na beira do gramado, ele vai enfrentar Argel Fucks, treinador que já encontrou em outras oportunidades, quando ambos defendiam outros times.
- As equipes dele são muito aguerridas, competitivas. O trabalho dele dispensa comentários. É um cara que está há um bom tempo na Série A, com grandes equipes, com resultados importantes. Qualquer coisa que eu não fale vou estar omisso ao que ele conquistou. Acho que todo mundo já conhece – elogia Guto Ferreira.
Garantidos na próxima fase do Campeonato Baiano, Bahia e Vitória se enfrentam às 16h (horário de Brasília) de domingo na Arena Fonte Nova. O confronto vai marcar o retorno da torcida mista aos estádios baianos. Confira aqui os preços dos ingressos.
Confira abaixo outros tópicos da entrevista coletiva de Guto Ferreira.
IMPORTÂNCIA DO BA-VI
- Acho que é [importante] para todo mundo, é um clássico. Essa rivalidade, esse clima nessa partida, é o que faz o nível de importância. A gente já ouviu que uma partida é um campeonato. E aqui essa partida é um campeonato também. Pelo menos por parte dos torcedores. Pode não ser decisiva, mas é um campeonato individual. O torcedor enxerga assim, e a gente tem que trabalhar com isso.
EXPERIÊNCIAS NO TIME?
- Por mais tempo que se tenha para trabalhar, uma semana não é muito tempo assim. É muito difícil mudar acentuadamente uma equipe por mais que esteja preparando coisas. Se essas coisas não foram executadas em um jogo valendo, dificilmente serão executadas em uma partida valendo três pontos. Pode-se ter experiências, porque o resultado final, para a competição, não é expressivo. Não tem uma importância expressiva. É cultural, o valor que o torcedor dá, e a gente tem que jogar com isso. E pode ter algum tipo de artimanha e experiência. E isso não vai acontecer. Se ela perder a sua base, perde a sua essência.
CAMPEONATO À PARTE
- Passa muito pelo nível de importância da partida. Ela é colocada com nível de importância. Agora, quando se alimenta demais o nível de informações, você corre o risco de deixar o jogador confuso. Tem que ser uma coisa tranquila e que ele possa, dentro das informações que tenha, fazer diferença em campo. Isso aí também passa por esse crivo, esse filtro. Você pontuar, sim, mas não ser nada em demasia.   
ARBITRAGEM
- Eu acho que esse ano [Jailson Macêdo Freitas] já apitou jogos nossos. Temos problema nenhum. Com exceção desse último jogo da Copa do Nordeste, a gente tem falado pouco de arbitragem. Espero que a gente possa terminar essas competições de maneira muito tranquila. No jogo, que sejam felizes de não chamarem atenção. Eles se preparam muito para acertar, e a gente torce muito para que sejam felizes. Quando eles acertam, e o espetáculo pode ser definido na beleza, isso é muito bom. A gente costuma dizer que o bom árbitro passa despercebido. É possível? É sim, com certeza. A gente espera que ele seja feliz. O know-how dele é alto. É um cara que há muito tempo apita os principais jogos a nível nacional. A gente torce para que seja feliz.  
WELLINGTON E EDIGAR SUPORTAM 90 MINUTOS?
- [Risos] Vamos deixar assim hoje.
CBF IMPLEMENTA REGISTRO DE CONTRATO DE TREINADOR
- Acho que é o primeiro grande passo da profissão. Através dessa situação, começa a ter algumas coisas importantes para o treinador, que até então não existiam. É um marco sim. Estamos com o futebol brasileiro, muitos anos de CBF, de competições nacionais. E ainda a profissão de treinador, com todo esse tempo, não tinha vinculo com a confederação. Isso aí é um marco em termo de profissão. Mas não pode parar só nisso. Através disso vêm algumas coisas importantes. O contrato estando lá, de que maneira os clubes têm que agir. Em várias competições, o clube que não honrar situações de contrato acaba impedido de algumas situações na sequência da competição, o que dá segurança. Ainda hoje o treinador assina com o clube, não recebe, é demitido. É uma profissão mais freelancer que efetiva. Fora isso, acho que tem muita coisa para ser acertada para a carreira do treinador. A federação dos treinadores tem uma luta bastante grande. Temos um grupo de mais de cinquenta treinadores envolvidos nesse projeto, que é de fortalecer a classe.


FONTE -G1
FONE: 34121595 FIXO - (88) 9-92026830 CLARO (88)9 -98602540  TIM
JORNAL CENTRAL  QUIXADÁ WATSAPP 88 - 9 - 96331144
POSTADA  POR GOMES SILVEIRA

Nenhum comentário:

Postar um comentário