quarta-feira, 15 de março de 2017

TORCIDA - Tensão no Ceará e no Fortaleza é agravada com casos de ameaças por torcedores

Não está fácil vestir a camisa do Fortaleza em 2017. A cobrança intensa da torcida e principalmente a maneira como ela é feita chega a assustar.

Em menos de três meses, episódios tensos envolvendo grupos de torcedores, atletas, comissão técnica e dirigentes se acumulam e passam sensação de insegurança.

No mais recente, ontem, no Pici, cerca de 40 torcedores, a maioria vestindo camisas da Torcida Uniformizada do Fortaleza (TUF), entraram na sede do clube — alguns pularam o muro — e exigiram uma conversa com a comissão técnica e com o elenco.

No gramado, antes do treino, durante 45 minutos, questionaram os resultados recentes do clube — eliminação na Copa do Brasil e Copa do Nordeste — e pediram raça. O presidente do Fortaleza, Jorge Mota, em coletiva, chegou a dizer que foi tudo “absolutamente pacífico, normal”.

O POVO apurou, no entanto, que houve mais. Ameaças foram feitas a funcionários do clube e a membros da imprensa, pois os torcedores não queriam ser filmados ou fotografados. Membros do time que pediram para não serem identificados afirmaram ao O POVO que os atletas também ouviram algumas ameaças.

EPISÓDIOS SEMELHANTES
Essa foi a segunda vez neste ano que torcedores se reuniram com integrantes do Fortaleza. Ainda em janeiro, dez representantes da organizada Jovem Garra Tricolor (JGT) tiveram 20 minutos com comissão técnica, Ênio Mourão e César Sampaio — ambos ainda estavam no departamento de futebol do clube. Na época, as reclamações se deram pelo futebol ruim que a equipe apresentava.

Após o último jogo, contra o Altos-PI, no sábado, o volante Jefferson foi ameaçado por torcedores na saída do vestiário e seu carro chegou a ser cercado.

No mesmo local, o presidente Jorge Mota já teve discussões com torcedores, após a vitória sobre o Moto Club-MA, no Castelão, pela Copa do Nordeste, no dia 12 de fevereiro.

Não é a primeira vez, também, que Marquinhos Santos passa por essa situação. Em agosto do ano passado, torcedores invadiram o treino do Fortaleza e em coletiva, posteriormente, o técnico chegou a cogitar sair do clube caso o fato se repetisse.

Ameaças também têm sido frequentes no Ceará
O ano de 2017 tem sido marcado por situações tensas não só com o Fortaleza, mas também do lado do Ceará. Neste ano não foram poucos os casos envolvendo torcedores que recorreram a gestos de hostilidade e a ameças.
Após a eliminação na 1ª fase da Copa do Brasil para o Boavista-RJ, torcedores vestindo camisas da organizada Cearamor compareceram ao desembarque da equipe no Aeroporto Pinto Martins no dia 16 de fevereiro e ameaçaram o técnico Gilmar Dal Pozzo. “Peça para sair antes que piore para o seu lado” é dito ao treinador na cena que foi registrada em vídeo. Dal Pozzo se desligou do clube após o episódio.
O caso teve repercussão nacional. Diversos clubes, atletas e personalidades esportivas condenaram a atitude desses torcedores e demonstraram solidariedade ao técnico.
Também no aeroporto, um grupo também cobrou o elenco, especialmente o zagueiro Sandro, pela saída da Copa do Brasil. O presidente Robinson de Castro admitiu na época que alguns jogadores cogitaram deixar o clube.
O próprio Robinson tem sido alvo frequente de muitos protestos. Torcedores já se manifestaram contra o mandatário várias vezes e das mais diferentes maneiras.
O mais recente episódio ocorreu na semana passada. Depois do empate por 2 a 2 com o Uniclinic, pela última rodada da 1ª fase do Estadual, a sede do clube, em Porangabuçu, amanheceu com várias pichações exigindo a saída do cartola.
Recentemente, as manifestações que pressionam o dirigente alvinegro ocorreram pela internet e fizeram com que o meia Éverton — identificado com o Fortaleza — desistisse de assinar com o Vovô.
Após anunciado o acerto do jogador com o Ceará, diversos torcedores se mostraram insatisfeitos com a contratação e exigiram nas redes sociais que o clube desistisse do negócio. Éverton, inclusive, chegou a sofrer ameaças. Acerto desfeito, o meia acabou fechando com o Fortaleza. 

FONTE - O POVO
FONE: 34121595 FIXO - (88) 9-92026830 CLARO (88)9 -98602540  TIM
JORNAL CENTRAL  QUIXADÁ . NO  QUE É WATSAPP 88 - 9 - 96331144
POSTADA  POR GOMES SILVEIRA

Nenhum comentário:

Postar um comentário